Artificial Intelligence

Stephen Hawking teorizou que o livre arbítrio é simplesmente uma série de momentos coletivos que interagem entre causa e efeito. Ao longo do tempo, com muitas tentativas e erros, criamos partes complexas de tecnologia que estão começando a pensar como seres humanos.

É da nossa natureza desenvolver coisas à nossa imagem e semelhança. Primeiro, criamos máquinas para resolver problemas com parâmetros verdadeiros e falsos. Agora estamos desenvolvendo máquinas capazes de encontrar a verdade do significado. Essas máquinas são a primeira leva de um futuro onde humanos poderão interagir de maneira inteligente com máquinas.
Somos especializados em uma área da IA que lida com a capacidade de compreensão da linguagem humana pela máquina. Para a IA funcionar, nós pegamos seu conteúdo e o organizamos em nossa Base de Conhecimento. É basicamente um cérebro programado para organizar seu conteúdo para responder todas as perguntas que humanos possam vir a fazer. É como ter respostas latentes em seu site esperando que alguém faça as perguntas.
Para acessar essas respostas, você precisa de um gatilho contextual para criar a conexão da mesma forma que um ser humano precisa de um ponto de referência para criar trocas entre si. Nós criamos o nosso gatilho com um motor de busca inteligente especializado. Ele procura significado contextual nas perguntas dos usuários, em vez de buscar palavras-chave, como os motores de busca de hoje fazem. Isso permite que nossa inteligência artificial possa compreender plenamente o significado da linguagem humana.