Seu site de ajuda tem um enorme potencial de SEO. Saiba como aproveitá-lo.

Os clientes usam canais digitais para encontrar rapidamente resultados e respostas. Cerca de 84% deles pesquisam no Google pelo menos 3 vezes ao dia. E pelo menos metade de todas as pesquisas por produtos são iniciadas nesse mecanismo.

No entanto, os números mostram que as pesquisas atuais quase sempre frustram as expectativas dos usuários. Uma pesquisa feita por SimilarWeb/Sparktoro destaca o maior desafio da pesquisa online hoje em dia: 66% delas terminam sem cliques na web.

Os usuários nem sempre pesquisam com a intenção de clicar nos sites. O resultado é que a taxa de rejeição dos resultados do Google está crescendo.

Mais do que nunca, não é apenas imperativo que os sites apareçam na primeira página da pesquisa do Google. O conteúdo da ajuda pertinente também deve aparecer nos SERPs. Um dos primeiros e mais importantes passos rumo isso é garantir que o conteúdo da ajuda do site esteja indexado no Google.

Por que devo indexar o conteúdo da ajuda no Google?

A maioria das ferramentas de gestão de conhecimento ou sites de ajuda não permite que o Google indexe o conteúdo da ajuda. Pelo menos, esse não é o padrão. Isso significa que a maior parte do conteúdo da ajuda funciona como documentos internos da empresa, que os clientes só podem acessar por meio do portal ou site.

Mas, quando um cliente tem um problema ou dúvida, na maioria das vezes, ele vai perguntar ao Google, antes de ir à página da ajuda.

Se o conteúdo da ajuda não estiver indexado no Google, pode ser que os clientes busquem ajuda em fóruns independentes ou outras fontes de informação menos confiáveis, fora da empresa (como Reddit ou Trustpilot, por exemplo).

O que é SEO de cauda longa?

Muitas empresas concentram seus esforços de SEO em palavras-chave curtas com alto volume de busca e esquecem o potencial das palavras-chave de cauda longa.

Essas são palavras-chave complexas e, em geral, mais longas. Sozinhas, elas recebem muito menos tráfego. Mas isso não significa que não consigam atrair grandes quantidades de tráfego. Na verdade, as pesquisas mais longas constituem 95% das que são realizadas no Google.

SEO para Gestão do Conhecimento – pesquisa de cauda longa

Não é surpresa, portanto, que cerca de 15% das pesquisas diárias no Google sejam novas e que ninguém fez antes.

Por outro lado, foi demonstrado que os usuários que pesquisam usando palavras-chave de cauda longa fazem mais conversões.

Por esse motivo, a indexação do conteúdo da ajuda não só melhora sua posição nos resultados de pesquisa do Google, mas também facilita a resposta a muitos clientes já existentes e a potenciais clientes. Isso favorece as vendas e reforça a imagem da marca.

Como se isso não bastasse, existem vários outros benefícios de peso em ter o conteúdo da ajuda indexado no Google.

Aumente sua visibilidade em relação à concorrência

Seus concorrentes tem como objetivo ultrapassá-lo. E para isso, eles podem usar os anúncios do Google, bem como o conteúdo do Google para atrair OS SEUS clientes para os serviços ou produtos DELES.

Indexando o conteúdo da ajuda, você consegue oferecer respostas rápidas, dar melhor atendimento ao cliente e, além disso, garantir que o conteúdo chegue a usuários potenciais, em vez de deixar que os concorrentes o façam.

Melhore a experiência do usuário

A experiência do cliente (UX) é um elemento fundamental e tornou-se um importante diferencial para os clientes nos últimos anos.

O conteúdo da ajuda deve ser focado em atender às demandas dos clientes. Optar por uma estratégia de SEO não é apenas atender às demandas dos mecanismos de pesquisa. A estratégia do Google de fornecer informações rápidas e factuais concentra-se em fornecer conteúdo útil aos usuários e que atenda às suas demandas por respostas rápidas. SEO e UX andam de mãos dadas.

Isso significa fornecer conteúdo claro e atraente para os usuários. Como exemplo, temos o mesmo conteúdo indexável em celulares e desktops, navegação com bom design e conteúdo de ajuda claro, que possa ser acessado em diferentes dispositivos.

Alcance a posição 0 e seja indexado por assistentes de voz

A pesquisa por voz permite que os usuários façam solicitações ou consultas por voz, em vez de digitá-las nos mecanismos de pesquisa. Cada vez mais usuários estão usando a pesquisa por voz e assistentes, como o Siri ou Alexa, para pesquisar na web e encontrar soluções para suas consultas.

Quando as pessoas usam a pesquisa por voz, elas estão em busca de respostas diretas e não de vários recursos. As respostas são muito concisas e focadas em feedbacks diretos e contextualizados.

É aqui que entra a posição zero. A posição zero é um snippet em destaque que o Google oferece na posição superior de uma pesquisa, acima de qualquer conteúdo orgânico e pago, como resposta direta a uma consulta. O conteúdo da posição zero é seguido por outros resultados de pesquisa em desktops e celulares e, no caso da pesquisa por voz, é a única informação fornecida aos usuários. Isso dá às empresas uma oportunidade única de ser a referência exclusiva em frases de pesquisa específicas.

SEO para Gestão do Conhecimento - posição zero

Mas a posição zero não é apenas interessante nas pesquisas por voz. Também é útil nas pesquisas textuais. Na verdade, a seguradora de carros online francesa – líder de mercado –  otimizou seu conteúdo da ajuda e conseguiu que 175 Perguntas frequentes aparecessem na posição zero, gerando 15% do tráfego total do site.

Alavanque seu conteúdo do suporte

É preciso tempo e dinheiro para criar uma base de conhecimento proficiente, com conteúdo de suporte útil. Para desbloquear o potencial de poderosas ferramentas de gestão do conhecimento, é essencial garantir que esse conteúdo possa ser encontrado online. Afinal de contas, o objetivo principal é economizar o tempo de clientes e funcionários na busca de informações e orientá-los para o cumprimento dos objetivos. Parte dos recursos gastos para otimizar a base de conhecimentos é obter um ROI e isso pode ser impulsionado com uma forte presença em seus SERPs.

Boas práticas para a Gestão do Conhecimento para SEO

Há várias medidas para garantir que o conteúdo da ajuda seja indexado no Google.

A primeira delas é, sem dúvida, permitir que os rastreadores do Google tenham acesso ao conteúdo. Para isso, é importante ter uma ferramenta robusta, que permita a indexação de conteúdo.


Mas apenas solicitar que seu conteúdo de gestão de conhecimento seja indexado não é suficiente. O conteúdo deve ser otimizado para SEO, a fim de ser o mais acessível possível aos usuários. Afinal, o que você pode fazer para garantir que sua gestão de conhecimento atenda às exigências ideais de SEO? Aqui estão algumas dicas:

Identifique as Perguntas frequentes

Um componente-chave em qualquer estratégia de SEO é identificar e responder a perguntas comuns. Há diversas ferramentas que podem ajudar nessa tarefa.

  • As ferramentas de análise de SEO ajudam a encontrar as perguntas que os usuários estão fazendo em cada setor específico.
  • Algumas ferramentas, como a solução de gestão do conhecimento da Inbenta, incluem painéis de desempenho. Esses permitem ver as perguntas que os usuários estão fazendo e ajudam a preencher essas lacunas.

Deve ser criado conteúdo para responder as perguntas identificadas e dar conta dos principais tópicos, seguindo uma estrutura definida. É comum renomear o conteúdo com formulações que incluam «Por que» e «Como» no título do conteúdo.

Identifique palavras-chave

Como vimos, as palavras-chave são essenciais (daí advém seu nome) quando se desenvolve uma estratégia de SEO para o conteúdo da ajuda. Tais palavras devem aparecer em títulos, subtítulos e no próprio conteúdo da ajuda, devendo ainda determinar a estrutura e a narrativa da página. Elas devem aparecer nos metatítulos dos resultados do mecanismo de pesquisa (SERPs)

Determinar por meio de pesquisa em quais palavras-chave focar permite a você otimizar o conteúdo e decidir o que é mais importante e relevante, com base no volume de pesquisas realizadas e no tráfego orgânico potencial.

Otimize links internos

Links internos são fundamentais quando se tenta ajudar o site com indexação e classificação para os mecanismos de pesquisa. Esses mecanismos usam esses links para entender do que trata uma determinada página e a estrutura geral do site. Embora não se recomende encher de links internos, é sempre bom incluir tais links de forma moderada em suas páginas da base de conhecimento.

Além disso, configurar links para outros conteúdos pode diminuir as taxas de rejeição e manter o interesse do usuário no site, com a oferta de conteúdo extra.

Há ainda questões técnicas que devem ser consideradas, como a verificação de tags sem acompanhamento e a remoção de cadeias de redirecionamento, que podem limitar a força de um link interno.

Como selecionar a solução correta de Gestão do Conhecimento para SEO

Otimizar a Gestão do Conhecimento para SEO não é uma tarefa simples, pois há uma série de pontos que devem ser verificados regularmente. Além disso, nem toda solução de Gestão do Conhecimento tem funcionalidades de SEO. Por isso, é importante escolher uma solução que incorpore estratégias de SEO para permitir a você:

  • Classificar-se em SERPs
  • Criar páginas com URLs exclusivas para cada conteúdo do suporte
  • Diminuir a concorrência em pesquisas com palavras-chave de alto valor
  • Atingir a posição 0 no Google
  • Gerar tráfego orgânico em seu site
  • Aumentar as taxas de conversão

Soluções de gestão do conhecimento com recursos de SEO – como a Inbenta Help – podem ajudar as empresas a desenvolver conteúdo de ajuda que possa ser encontrado facilmente em mecanismos de pesquisa. Usando API e SDK da Inbenta, você é capaz de criar páginas para cada categoria da ajuda com URLs amigáveis, que evitam a duplicação de páginas e melhoram a capacidade de pesquisa. Isso tudo ao mesmo em que são atualizadas automaticamente, se forem modificadas (lembre-se de que links quebrados ou páginas 404 irritam o SEO!).

A solução da Inbenta combina com sucesso as funcionalidades de SEO de cauda longa com análise semântica realizada pelo mecanismo de PLN. As perguntas de cauda longa que os usuários fizeram no site são depois identificadas junto ao conteúdo da base de conhecimento.

Com isso, é fácil vincular as perguntas ao conteúdo adequado da base de conhecimento para produzir páginas otimizadas. Essas têm maior probabilidade de serem exibidas nos primeiros resultados SERPs ou na posição zero.

Interessado(a) em melhorar o SEO e a classificação no Google de sua base de conhecimento?

Veja nossos artigos similares